Questões de História. Un. I: Construção e Apogeu da modernidade ocidental XV e XVI

Caros amigos do Aspiras

Para obter êxito no 2ª fase do concurso é fundamental se preparar resolvendo exercícios anteriores. Por conta disso, vou disponibilizar semanalmente dez questões de História. Depois de uma semana do post, vou corrigir e comentar todas as questões, tentando sanar as dúvidas que ocorrerem, ok?

Nesse primeiro tópico, vocês encontrarão dez questões tratando da unidade 1 do conteúdo programático da UERJ.

Sugiro a todos que façam os exercícios sem consulta e de preferência de olho no relógio, para ter uma idéia exata do tempo gasto.

Desejo boa sorte a todos!

1. (Ufjf) "(...) ponderando-se o acharem-se hoje as Vilas dessa Capitania tão numerosas como se acham, e que sendo uma grande parte das famílias dos seus moradores de limpo nascimento, era justo que somente as pessoas que tiverem essa qualidade andassem na governança delas..."
"Ordem Régia" (Para Câmara de Vila Rica-MG), 27 de janeiro de 1726.

"A Câmara e a Misericórdia podem ser descritas, apenas com um ligeiro exagero, como os pilares gêmeos da sociedade colonial desde Maranhão até Macau."
BOXER, C. R. "O império marítimo português". Lisboa: Edições 70, 1969, p. 267.

O mais significativo órgão político-administrativo implantado por Portugal nas vilas coloniais da América Portuguesa era a Câmara Municipal.
Baseando-se nas citações apresentadas, responda com suas próprias palavras:
a) Qual era a origem social daqueles que ocupavam os cargos nas Câmaras Municipais?
b) Cite três funções das Câmaras Municipais nas principais vilas coloniais.

2. (Ufrj) "A Metrópole, por isso que é mãe, deve prestar às colônias suas filhas todos os bons ofícios e socorros necessários para a defesa e segurança das suas vidas e dos seus bens (...).
Estes benefícios pedem iguais recompensas e, ainda, alguns justos sacrifícios; e, por isso é necessário que as colônias também, da sua parte, sofram: 1) que só possam comerciar diretamente com a Metrópole, excluída toda e qualquer outra nação, ainda que lhes faça um comércio mais vantajoso; (...) Desta sorte, os justos interesses e as relativas dependências mutuamente serão ligadas."
Azeredo Coutinho, J. J. da Cunha. ENSAIO SOBRE O COMÉRCIO DE PORTUGAL E SUAS COLÔNIAS, 1816)

A empresa que se organiza como parte integrante do sistema colonial português na Época Moderna tem como base os elementos da política econômica mercantilista, entre os quais se encontra o monopólio comercial.
a) Identifique duas características da empresa colonial portuguesa na Época Moderna.
b) Explique a função do monopólio comercial no sistema colonial da época mercantilista.

3. (Ufrj) Os livros dos descobridores deste outro hemisfério dão-nos a conhecer suficientemente o que é este Brasil, em que paralelo está situado, de que maneira os brasilianos, tupinambás e tapuias, os povos desse país, se guerreavam antigamente e devoravam os vencidos; como os portugueses, subjugando estes miseráveis, se fizeram assinalar por horríveis efusões de sangue; como, também os franceses, tendo-se tornado senhores de uma parte do país por meio de sangrentas expedições, os portugueses lha fizeram abandonar com a vida [...]. Posteriormente, os Estados Gerais dos Países Baixos aí levaram as suas armas e conquistaram a melhor parte, não tendo sido poupadas as devastações e saques, companheiros da guerra.

Fonte: Moreau, Pierre. "História das últimas lutas no Brasil entre holandeses e portugueses." Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1979, pp.17-18.

A descrição acima foi escrita por Pierre Moreau, sobre quem se conhece pouco além do fato de ter vivido no Brasil em meados da década de 1640. Dentre outras coisas, o trecho mostra que não raro os países europeus questionavam os termos em que o Tratado de Tordesilhas dividira a América.

a) Identifique no texto dois exemplos concretos deste questionamento.

b) Explique uma característica das sociedades indígenas, presente no texto, que tenha sido utilizada por países europeus nas ações concretas de questionamento ao Tratado de Tordesilhas.

4. (Ufrrj) "A monarquia absolutista, com uma longa gestação no espírito da realeza, tornou-se a realidade dominante em França apenas durante o reinado de Luís XIV (1643-1715). A Fronda de 1648-1653 representou a última vez que seções da nobreza territorial pegaram em armas contra a realeza centralizadora."
SKOCPOL Theda. "Estados e Revoluções Sociais". Lisboa, Editorial Presença, 1985. p. 62.

O Antigo Regime estendeu-se em França até a Revolução Francesa de 1789. Um dos impedimentos à consolidação do poder monárquico era justificado pela tenaz resistência da nobreza. Uma vez dominada a nobreza, consolidava-se a monarquia absoluta.

a) Cite duas características do Absolutismo.

b) Estabeleça uma relação entre o reinado de Luís XIV e o Absolutismo.

5. (Ufrrj) Leia o texto adiante sobre a expansão comercial e marítima portuguesa e, com base nele, responda às questões a seguir.

Em 1498, o português Vasco da Gama consegue chegar a Calicute, nas Índias, contornando o Cabo da Boa Esperança. Em seguida, as frotas portuguesas procuraram estabelecer um maior controle do oceano Índico. À medida que as rotas de navegação se consolidam, Portugal centraliza o comércio das especiarias alterando o papel a ser desempenhado pelas cidades de Gênova e Veneza.
THEODORO, J. "Descobrimentos e Renascimento". São Paulo: Contexto, 1991. p. 20.

a) Mencione duas razões que explicam o pioneirismo português nas navegações e descobrimentos dos séculos XV e XVI.
b) Estabeleça uma relação entre práticas mercantilistas e a assim chamada expansão comercial e marítima.

6. (Ufrj) "Vivo só, com um criado. A casa em que moro é própria; fi-la construir de propósito, levado de um desejo tão particular que me vexa imprimi-lo, mas vá lá. Um dia, há bastantes anos, lembrou-me reproduzir no Engenho Novo a casa em que me criei na antiga rua de Mata-cavalos, dando-lhe o mesmo aspecto e economia daquela outra, que desapareceu. Construtor e pintor entenderam bem as indicações que lhes fiz: é o mesmo prédio assobradado, três janelas de frente, varanda ao fundo, as mesmas alcovas e salas. Na principal destas, a pintura do teto e das paredes é mais ou menos igual, umas grinaldas de flores miúdas e grandes pássaros que as tomam nos bicos, de espaço a espaço. Nos quatro cantos do teto as figuras das estações, e ao centro das paredes os medalhões de César, Augusto, Nero e Massinissa, com os nomes por baixo... Não alcanço a razão de tais personagens."

(Assis, Machado de. "Dom Casmurro". ln: OBRA COMPLETA. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar Editora, 1971. P.809-10. V.1)

"A exuberante e fantástica fachada da cartuxa de Paiva - o monumento da Itália que os franceses mais admiraram -, verdadeira festa de mármores e esculturas, fornece o melhor exemplo da fantasia com que o Renascimento italiano utilizou, por vezes, o vocabulário artístico dos Antigos. Medalhões com os imperadores de Roma ou com reis do Oriente, cenas alegóricas ou mitológicas, grinaldas, pilastras finamente cinzeladas, ramagens estilizadas, aves diversas recobrem a parte inferior que é do fim do século XV"

(Delumeau, Jean. A CIVILIZAÇÃO DO RENASCIMENTO. Lisboa, Editorial Estampa, 1984. P.106. V.1)

Os medalhões que Dom Casmurro (o personagem narrador criado por Machado de Assis) não compreendia eram ecos remotos do início da Era Moderna. A "redescoberta" da Antigüidade Clássica foi um traço marcante do Humanismo, também caracterizado pela percepção de que o homem tinha o poder de aprimorar a si mesmo e de interferir na natureza e na História. O ideário humanista contrapunha-se diretamente a valores medievais consagrados.

a) Aponte duas razões importantes para a disseminação do Humanismo pelo continente europeu.
b) Apresente duas críticas dos homens do Renascimento à Idade Média.

7. (Ufrj) Nos últimos dias, recebemos duas notícias extraídas de uma só raiz venenosa, a intolerância. A primeira assustou pela violência [...] das bombas enviadas contra a Anistia Internacional e outros defensores dos direitos civis. A segunda estarreceu os cristãos, com o anúncio do texto "Dominus Iesus" decretando o fim das árduas tentativas ecumênicas do Concílio Vaticano 2°. Não sei qual desses eventos ocasiona maior dor nas almas. As bombas crescem no solo fértil dos anátemas (maldições) religiosos, esse é o testemunho da história. Lendo os escritos emanados da Cúria Romana nesses últimos tempos, vemos um retorno ao séculos 16 e 17, época em que as fogueiras arderam em nome do amor. [...] creio ser o novíssimo documento do Vaticano uma reiterada abertura à imposição de crenças, em desafio ao ensino de Paulo: 'O temor da punição torna-se a nova regra, em prejuízo do dever da consciência' (Romanos 13 5).

Roberto Romano: "Os mestres da verdade.." in "Folha de São Paulo",Tendências/ Debates. 11 de setembro de 2000

Em 1545, diante da necessidade de fazer frente à expansão do protestantismo e de repensar as doutrinas e práticas da Igreja Católica, o Papa Paulo III convocou o Concílio de Trento, que organizou a chamada Contra-Reforma e cujas orientações guiaram os católicos durante séculos.
Em 1962, a convocação do Concílio Vaticano 2° pelo Papa João XXIII, também pode ser vista como uma resposta às demandas que se colocavam para a Igreja Católica diante da nova realidade mundial no pós-segunda guerra.

a) Explique uma medida adotada pela Igreja Católica a partir do Concílio de Trento que teve por objetivo a conter a expansão do protestantismo.

b) Identifique uma decisão tomada pelo Concílio Vaticano 2° que exemplifique a busca da Igreja em responder às demandas sociais do período.

8. (Fuvest) Sobre a colonização inglesa na América do Norte,
a) estabeleça sua conexão com os desdobramentos da Reforma Protestante da Inglaterra;
b) explique por que na região sul se originou uma organização sócio-econômica diferente da do norte.

9. (Uerj) Uma comparação superficial entre as sociedades ibéricas e ibero-americanas por volta de 1700 sugere que os ibéricos haviam logrado reproduzir no México, no altiplano andino e ao longo das costas brasileiras, uma réplica (pelo menos um simulacro) de suas próprias sociedades.
(STANLEY, J. S. e STEIN, B. A Herança Colonial na América Latina. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.)

a) Cite duas características da sociedade colonial da América portuguesa.
b) Estabeleça uma diferença quanto à participação política dos "chapetones" e "criollos" nas colônias espanholas da América.

10. (Ufv) Durante a segunda metade do século XVII, os portugueses perderiam grande parte do controle do comércio do Oriente e das rotas do Oceano Índico para os holandeses, que, por sua vez, logo se veriam superados pelos ingleses. Holandeses e ingleses deviam seu sucesso à capacidade de organizar e financiar seus empreendimentos simultaneamente militares e comerciais.

a) Qual o principal instrumento de política colonial dos holandeses e ingleses?
b) Aponte um evento que indique os desdobramentos da concorrência entre as grandes potências na América Portuguesa.


Gabarito comentado: dia 28.

Exibições: 8438

Responder esta

Respostas a este tópico

Ah, mais uma coisa, deixem suas impressões sobre as questões, qual a maior dificuldade, para eu saber onde está o problema e tentar saná-lo junto c vcs!
Abraços!
Valeu!!!
Adorei as questões, em geral resolvi sem muita dificuldade.
Agora é esperar o gabarito.
Thaiane, se quise me envie as respostas e te passo sua "nota".
Bj!
fiz, mas tive alguma dificuldades.
Excelente ideia colocar questões aqui pro pessoal ir se preparando!!

Vou fazer e deixo a opnião aqui...

Vlw...
Olá Pessoal
Desculpem a demora em postar a correção, mas ando realmente atarefada e não tive como fazê-lo antes. Mas segue agora o gabarito.
GABARITO

1. a) Os proprietários de terras e escravos, conhecidos como homens bons; Elite Colonial; Latifundiários; Aristocracia; Nobres da Colônia; Classe alta.
b) I. Fiscalização das condições da vida urbana (abastecimento, salubridade, posturas, etc.).
II. Arrecadar tributos e administrar contratos.
III. Justiça de primeira instância.

2. a) A predominância do latifúndio, da monocultura e da escravidão; da produção especializada e voltada para o mercado externo. O caráter complementar da economia colonial em favor do mercantilismo metropolitano.

b) A garantia de mercados exclusivos, possibilitava a acumulação de capitais pelas metrópoles.

3. a) O estabelecimento de franceses no Rio de Janeiro (século XVI) ou no Maranhão (século XVII);
- e estabelecimento dos holandeses no Nordeste: a tentativa de conquista de Salvador ou a efetiva dominação de parte do Nordeste a partir da conquista do Recife.

b) Em muitas ocasiões, os enfrentamentos bélicos e rivalidades pré-existentes entre os indígenas foram utilizados por europeus, notadamente pelos franceses, que deles lançavam mão para questionar a legitimidade das conquistas portuguesas na América.

4. a) O candidato deve associar o Estado Absoluto e a transição do feudalismo ao capitalismo; indicar a centralização monárquica e a perda de poder político da nobreza; vincular o absolutismo à implementação da política econômica do mercantilismo.

b) Luís XIV (1638-1715) reforçou a autoridade real, promoveu a unidade religiosa e consolidou a economia mercantilista com Colbert, na França.

5. a) O pioneirismo português nas Grandes Navegações pode ser explicado pela consolidação do Estado Nacional com a Revolução de Avis (1383-1385) que promoveu a aliança entre o rei e a burguesia mercantil, condição que assegurava o gerenciamento da empreitada por parte do Estado e os recursos financeiros junto aos burgueses, e a experiência dos portugueses nas atividades mercantís e na navegação oceânica, favorecida pela localização geográfica junto ao Atlântico.

b) As conquistas decorrentes da Expansão Marítima e Comercial proporcionaram a possibilidade de aumento dos lucros para a burguesia mercantil e o aumento da arredação pelo Estado, adequando-se assim, à política econômica mercantilista.

6. a) O incremento das trocas comerciais entre os centros dinâmicos da economia continental (Antuérpia, Lisboa, Veneza, Gênova e Paris, por exemplo), processo concomitante ao surgimento de uma nova classe (a dos burgueses), ao Mecenato e à invenção da Imprensa.

b) A crítica ao teocentrismo, indicando que o homem no Renascimento é visto como o responsável pelos seus atos, enfatizando o antropocentrismo; ao geocentrismo, destacando a teoria de Copérnico sobre o heliocentrismo; às forças que se opunham ao individualismo burguês.

7. a) O candidato deverá explicar uma medida adotada pela Igreja Católica a partir do Concílio de Trento que teve por objetivo a conter a expansão do protestantismo, considerando:
- A utilização de ordens religiosas como agentes da "reconquista", notadamente dos jesuítas e capuchinhos, na Europa e com a fundação de missões na América e na Ásia;
- A reorganização do Tribunal do Santo Ofício, encarregado de combater as heresias, o protestantismo e o judaísmo; a criação da Congregação do Índex, organização eclesiástica encarregada de publicar a relação dos livros contrários à doutrina e, portanto, de leitura proibida aos católicos.

b) A realização dos cultos em língua nacional, a utilização dos meios de comunicação para veiculação de idéias, a ampliação da participação dos leigos na vida religiosa, a definição por uma Igreja democrática e ecumênica e o reconhecimento das liberdades religiosa e de consciência.

8. a) Os puritanos que colonizaram a América do Norte deixaram a Inglaterra pois a reforma anglicana impunha grande intolerância àqueles que não professassem a religião oficial.
b) A região Sul, escravista, se organizou economicamente em torno de grandes propriedades cuja produção era voltada para o mercado externo. As condições geográficas e climáticas foram fatores decisivos na opção pela economia agroexportadora baseada em "plantations".

9. a) . sociedade aristocrática e patriarcal;
. utilização do trabalho forçado: escravidão negra e/ou indígena;
. predominantemente marcada pela presença de grandes proprietários de terra, comerciantes e escravos;
. predomínio dos grandes proprietários ("homens bons") nas Câmaras Municipais;
. caráter, em larga medida, ainda sacralizado;
. tensões latentes entre colonizadores e colonos e os temores de ambos em relação a possíveis revoltas dos colonizados.

b) Aos chapetones, brancos nascidos no Reino, era permitido o acesso aos mais importantes cargos administrativos, militares e eclesiásticos coloniais. Aos criollos, embora constituíssem as aristocracias regionais no universo colonial, não lhes eram permitidos tais cargos. Tinham sua participação política restrita quase exclusivamente aos cabildos.

10. a) As companhias de comércio.

b) A presença holandesa no Brasil entre 1630 e 1654 no contexto da União Ibérica (1580-1640) em razão do conflitos políticos que envolviam Espanha e Holanda, pois os holandeses que participavam ativamente do comércio do açúcar brasileiro transportando e distribuindo-o na Europa, foram privados pela Coroa espanhola detentora do governo sobre Portugal e suas colônias e que havia perdido o domínio sobre os Países Baixos.


Espero q vcs tenham ido bem. NO final de semana postarei mais um simulado sobre a segunda unidade da UERJ.
Abraços
Ótimas questões. Que venham outras. fiz a prova em 45 e achei de ótimo nível.

Parabéns pela iniciativa,tenho certeza que será de grande ajuda para todos nós !

curti as questões!!!!ótimo ...aguardo as próximas....rs!!!

 

ola Maria Iris, vc esta no CFO?

Muito boa iniciativa

RSS

Publicidade